Toy Story 4 – Crítica

0

Muitas pessoas assim como eu, quando ouviram falar que Toy Story receberia uma nova continuação pensaram: é realmente necessário mais um filme (aquele medo do filme não ser tão bom quanto aos outros três filmes)? Ainda mais depois que Toy Story 3 que teve um final redondo, não precisaria continuar mais nada.

Andy que tinha Woody (na versão legendada dublado por Tom Hanks), Buzz Lightyear (dublado por Tim Allen) e o resto da turma, foi para a faculdade e presenteou Bonnie com seus antigos brinquedos. Até então parecia que tudo acabaria ali. Engano nosso (para nossa alegria). Começaram a sair teasers e trailers na internet. A empolgação aumentava ( o filme não era esperado quando foi anunciado vale lembrar).

Passados nove anos desde seu antecessor, na semana passada, Toy Story chegou nas telas dos cinemas e, em seu primeiro final de semana, não podia ser diferente. O filme rendeu US$ 238 milhões mundialmente, tornando-se a maior estreia para uma animação da história. Nesta crítica, vamos te contar – sem spoilers – o que achamos desta nova história da Disney e Pixar.

O que o novo filme tem para nos contar? Continuando de onde parou (nove anos atrás) depois de serem doados por Andy, Woody, Buzz e turma vivem seus dias como brinquedos da Bonnie. Até aí o que já é esperado por nós. Passando por algumas crises existenciais, Woody tem seu papel de líder, porem questionado por ele mesmo nesta nova vida.

O início da vida escolar faz com que Bonnie comece a viver novas experiências, com isso, cria um brinquedo a partir do lixo: eis que conhecemos Garfinho. Garfinho é integrado aos outros brinquedos de Bonnie. Woody por sua vez acredita ter um novo objetivo através dele. Com uma viagem para um parque de diversões e Garfinho se perdendo dos outros, Woody põe como sua missão salvar o mais novo amigo de Bonnie.

Muitas coisas foram lembradas e explicadas neste filme. Uma das perguntas que todo mundo fez é o que aconteceu com a Betty, uma vez que a Pixar deixou uma ponta aberta sobre ela. Fiquem tranquilos, é muito bem explicado para que o filme tenha seu desenvolvimento. Aliás, este filme fecha várias pontas e abre outras. O filme é exatamente o que você espera, nem mais, nem menos, na medida certa. O que eu posso dizer que este filme é levemente mais engraçado, seja pelas situações, pelos personagens e pela história que é vista.

Falando em personagens, gostei tanto dos personagens antigos (os secundários não tem tanta participação nesta continuação e tem um razão convincente para isso) e ao mesmo dos novos personagens. No Toy Story 3, você vê o amadurecimento do Andy, muitas pessoas se identificaram com a situação, seu desenvolvimento (ainda mais com o salto de 11 anos entre o segundo e o terceiro filme). Já aqui alguns personagens antigos precisam passar por este amadurecimento, principalmente o Woody.

Se você tem uma identificação maior com este cowboy, no mínimo pode acontecer de cair um pouco de cisco nos olhos, se é que você me entende. Pelo menos isso aconteceu para algumas pessoas em minha sessão, no dia da estreia. A maioria das pessoas que vão assistir esse filme, cresceram junto com a franquia. Isso acaba criando um valor afetivo.

É muito bacana como você vê o crescimento deste xerife. Lá no primeiro filme ele era bem egoísta, agora é nítida a diferença, como um verdadeiro líder. Woody se torna responsável por Garfinho, que no filme tem uma grande importância na vida da Bonnie. Pensando que o Woody já jogou o Buzz pela janela, sempre que o Garfinho desaparece, nosso xerife pula como um anjo da guarda, tornando sua nova missão manter Bonnie e seu amado pedaço de talher de plástico unidos. Isso é bem nítido nos trailers.

E a Betty? Aquela dama recatada com suas ovelhas nos primeiros filmes e agora é tipo uma Rey de Star Wars. A sua transformação é toda justificável e, contribuindo de maneira relevante nesta nova história, ela se reconecta com Woody e sua turma. Por outro lado, há uma menor participação para o corajoso homem do espaço Buzz Lightyear. Ele é mantido ocupado pelo conceito confuso de uma voz interior.

Novos brinquedos se juntam a eles: Patinho e Coelhinho (dublados na versão brasileira por Marco Luque e Antônio Tabet), um par de bichos de pelúcia que são prêmios do tiro ao alvo do parque. Temos também um dublê covarde canadense muito engraçado conhecido como Duke Caboom (dublado originalmente por Keanu Reeves). Gabby Gabby é a vilã do filme, uma boneca vintage falante com um uma caixa de voz defeituosa, que sonha em ser amada um dia por uma criança. Você irá se surpreender com o arco desta personagem, assim como são com os vilões em Toy Story.

Convenhamos que a Pixar tem o dom de explicar pontos da vida de adulto através de seus filmes com excelentes roteiros, e neste filme, de entender seu lugar no mundo e se entender. Um exemplo disso: enquanto o terceiro filme teve uma abordagem sobre amadurecimento, fechamento de ciclo para pessoas, principalmente para pessoas que acompanharam desde o início da franquia, para as crianças que assistiram só o terceiro filme no cinema, era apenas um filme de brinquedos que iriam embora para servir outras crianças. O quarto filme da franquia faz isso, mas de forma mais atual.

Toy Story fala para cada pessoa de uma forma diferente. Acredito que isso não muda em Toy Story 4. Isso varia de sua idade e em qual fase da vida você está. Fora disso,você percebe como tantos assuntos são abordados de uma forma tão orgânica e com leveza nesta sequência (como sempre): sustentabilidade no mundo, empoderamento feminino, valores, depressão (isso mesmo), mudanças, individualidade e amizade. 

Um destaque especial fica para a dublagem nacional, que mais uma vez fez um trabalho espetacular. Woody e Buzz Lightyear foram novamente muito bem representados respectivamente pelos nossos queridos dubladores Marco Ribeiro e Guilherme Briggs. Além disso, a maioria do time de dubladores nacionais que participaram dos filmes anteriores permanecem na continuação.

Bom, antes que eu comece a soltar alguma coisa sobre o filme sem querer, queria dizer que a Pixar mandou muito bem novamente nesta nova aventura, que deixa ao meu ver possibilidade de continuação, apesar de ser um belo final (novamente). O visual do filme é ótimo como sempre, mas é a história que nos prende do começo ao fim. O que você está esperando? Corre para o cinema e vai conferir esta nova aventura!

Avaliação Final

100%
100%
Excelente

Toy Story 4 (2019)
(Toy Story 4)
País: EUA | Classificação: Livre | Estreia: 20 de junho de 2019
Direção: Josh Cooley | Roteiro: Stephany Folsom Andrew Stanton Martin Hynes Rashida Jones Valerie LaPointe
Elenco: Tom Hanks, Tim Allen, Keanu Reeves, Joan Cusack, Christina Hendricks, Patricia Arquette, Jordan Peele, Annie Potts, Timothy Dalton, Betty White, Wallace Shawn, Keegan-Michael Key, Jeff Garlin, Don Rickles, Mel Brooks, Bonnie Hunt, Carl Weathers

  • 5.0
  • User Ratings (0 Votes)
    0

About Author

Beto, paulista, sempre em busca de bons shows, viagens, livros, cultura pop em geral (não necessariamente nesta ordem). Fã de Star Wars, DC, Marvel entre outras coisas mais. Amante do universo da fotografia, sempre registrando por onde passo.

Deixe o seu comentário