John Wick 3: Parabellum – Crítica

0

O Baba Yaga está de volta! John Wick Parabellum é o terceiro filme da franquia protagonizada por Keanu Reeves que chegou esta semana aos cinemas. Não é a toa que o filme recebe este título, afinal você já deve ter se feito a seguinte pergunta: por que Parabellum? A palavra vem do latim, que faz parte de uma expressão surgida por volta do ano 500 D. C.:“Se vis pacem, parabellum”, que significa “Se você quer paz, prepare-se para a guerra“. Isso é nada menos que os fãs da franquia esperam.

Neste texto sem spoilers (ou com o mínimo possível) vamos falar um pouco desta terceira parte e mostrar por que John Wick não é qualquer homem e reforça cada vez mais o personagem como um dos melhores protagonistas de filmes de ação da atualidade.

Neste texto sem spoilers (ou com o mínimo possível) vamos falar um pouco desta terceira parte e mostrar por que John Wick não é qualquer homem e reforça cada vez mais o personagem como um dos melhores protagonistas de filmes de ação da atualidade.

Parabellum começa exatamente onde o filme anterior parou: John Wick ainda é o assassino que ninguém deixará se aposentar, afinal, o destino sempre continua trazendo John de volta para ação. Em sua história de origem de 2014, o assassino aposentado contratado ficou furioso porque os bandidos roubaram seu Mustang 69 e depois mataram seu cachorro que foi presente de sua esposa.

Na sequência de 2017, Wick adquiriu um novo animal de estimação e claro novos inimigos na Alta Cúpula, uma sociedade da elite criminosa. John Wick quebrou as regras, matou um homem dentro do Continental, um hotel chique de Nova York que funciona como uma zona neutra, com a nata de assassinos, dirigido por Winston (Ian McShane que dispensa apresentações).

John Wick quebrou a regra, onde não é permitido realizar negócios no Continental, desta forma Wick está agora excomungado, com uma recompensa valendo 14 milhões por sua cabeça. Todo matador de aluguel, habilidoso e amador está pronto para derrubá-lo. Um cenário nada animador para John, não acham? E é deste ponto começa o filme.

A primeira meia hora do filme é fuga de John Wick para sair de Nova York, sua cabeça está a prêmio, claro que lutando com uma legião de assassinos. Antes de encontrar uma saída da cidade, Wick busca algum meio de se salvar, isso inclui uma viagem ao Marrocos, onde ele se encontra com Sofia (Halle Berry), uma velha amiga que o ajuda, mas de não tão boa vontade.

Todos os três filmes foram dirigidos por Chad Stahelski (que colaborou com Keanu Reeves nos filmes da franquia Matrix) e escritos por Derek Kolstad. Os dois primeiros filmes foram fortemente investidos na criação das regras feudais (se assim posso dizer) de um mundo de assassinos honrados que caçam seus alvos nas ruas da cidade, mas respeitam os limites de seus hotéis “santificados” por exemplo.

Parabellum tem a intenção de questionar os fundamentos dessa sociedade existente no filme, definindo seus líderes contra Wick e sugerindo que eles, e não ele, são o verdadeiro problema, que talvez as regras precisam mudar. É uma franquia que ainda não mostra sinais de fim tão cedo, (estou torcendo por uma continuação, quem não?).

Tipos de luta que você esperar depois de Wick matar 3 pessoas com um lápis? Todas! O filme entrega diversas lutas nos mais diferentes lugares, além das perseguições como por exemplo quando assassinos em motocicletas estão atrás de John que está a cavalo (você já deve ter visto esta parte no trailer). Outra sequência no meio do filme é com Sofia, enquanto ela luta ao lado de dois cães muito bem treinados que atacam sob seu comando.


Chad Stahelski e sua equipe de dublês são excelentes em combinar movimentos balísticos com combates eletrizantes. Parabellum leva essa abordagem para o próximo nível, introduzindo uma sábia e velha professora de dança chamada Diretora (Anjelica Huston), uma das muitas novas caras que Wick encontra em sua busca para limpar seu nome. Esta personagem faz a ligação de John Wick com seu passado.

Além disso temos a entrada de outra personagem, a Juíza (Asia Kate Dillon), que trabalha com a Alta Cúpula e é responsável por aplicar as regras do Continental, para que elas sejam cumpridas. Laurence Fishburne retorna neste filme no papel de Bowery King, embora faça apenas pequenas participações.

Felizmente, aqueles que perseguem Wick também incluem Zero (Mark Dacascos), que, junto com seus alunos assassinos, é basicamente um fã, tão emocionado por estar enfrentando o lendário Wick quanto ele está ansioso para matá-lo. Dacascos dá ao filme um choque de adrenalina. Aos fãs da franquia, podem ficar tranquilos, porque quando o John Wick Parabellum terminar, vocês estarão preparados para mais guerra, pelo menos é essa sensação que ficou para mim. Até o momento não há nada confirmado para uma nova continuação, mas torcemos para que John retorne as telas. Aproveite o final de semana para ver o terceiro capítulo desta franquia que cada vez cativa mais seus fãs.

Avaliação Final

80%
80%
Ótimo

John Wick 3 : Parabellum (2019)
(John Wick : Chapter 3 - Parabellum)
País: EUA | Classificação: 16 anos | Estreia: 16 de maio de 2019
Direção: Chad Stahelski | Roteiro: Derek Kolstad, Chris Collins, Marc Abrams e Shay Hatten
Elenco: Keanu Reeves, Halle Berry, Ian McShane, Laurence Fishburne, Mark Dacascos, Asia Kate Dillon, Anjelica Huston, Lance Reddick.

  • 4.0
  • User Ratings (0 Votes)
    0

About Author

Beto, paulista, sempre em busca de bons shows, viagens, livros, cultura pop em geral (não necessariamente nesta ordem). Fã de Star Wars, DC, Marvel entre outras coisas mais. Amante do universo da fotografia, sempre registrando por onde passo.

Deixe o seu comentário