Hellboy – 10 Grandes histórias

0

Hellboy, o mais famoso personagem criado por Mike Mignola, tem feito bastante sucesso por aqui desde a estreia do seu primeiro filme (2004), estrelado por Ron Perlman. O personagem foi criado para que Mignola pudesse escrever histórias baseadas nos seus folclores favoritos. Com um universo riquíssimo recheado de seres fantásticos como trolls, fadas, seres artificias, demônios e muito mais, o investigador sobrenatural tem histórias publicadas desde 1994, passando por sua morte em “Hellboy: Tormento e Fúria” de 2011 e continuando em Hellboy no Inferno e novas histórias inéditas que ainda serão publicadas. Confira a lista que preparamos com 10 grandes histórias do personagem.

1. Sementes da Destruição

A estreia do personagem não foi escrita por Mike Mignola. O autor, não muito confiante nas suas habilidades como roteirista, convidou o já consagrado roteirista John Byrne para que o ajudasse a conceber a primeira edição de seu personagem.  Essa história é a apresentação de Hellboy e seu primeiro encontro com Rasputin, o mago que o convocou à Terra e que seria seu arqui-inimigo por um bom tempo.  Nessa edição somos apresentados a vários personagens chave do universo Hellboy, como seu pai adotivo Trevor Bruttenholm e seus parceiros Abraham “Abe” Sapien e Liz Sherman. A história serve para que Mignola delineie a personalidade de Hellboy e a forma com que queria que suas histórias fossem escritas, além de contar parte da origem do meio-demônio e demostrar o que o futuro lhe aguardava. Sementes da Destruição pode ser encontrada na Edição História Vol.1 publicada pela editora Mythos.

2. O Despertar do Demônio

Uma coisa que devemos ter em mente sobre Hellboy é que o personagem adora socar nazistas. Seu surgimento na Terra está inserido no contexto da Segunda Guerra Mundial, e o grupo de nazistas envolvidos com Rasputin iriam lhe importunar por vários anos seguintes. Em O Despertar do Demônio, Hellboy deve investigar o sumiço do corpo de um suposto Vampiro, Vladimir Giurescu, na Romênia. A grande oponente de Hellboy nessa história é Ilsa Haupstein, responsável por toda operação que traria Vladimir Giurescu de volta à vida. Mais tarde descobrimos que ela está trabalhando sob ordens de Rasputin. Nessa história também conhecemos pela primeira vez o homúnculo Roger, ser artificial que mais tarde se tornaria parceiro de Hellboy em suas investigações. Outro ponto interessante dessa história é a apresentação da forma demoníaca de Hellboy. O Despertar do Demônio pode ser encontrado na Edição História Vol. 2 publicada pela editora Mythos.

3. O Caixão Acorrentado

Em uma história bem curta (9 páginas), Mignola consegue apresentar pela primeira vez os pais de Hellboy. Aqui descobrimos que o personagem não é um puro demônio, ele é filho de uma bruxa com um demônio. O Caixão Acorrentado pode ser encontrado na Edição Histórica Vol. 3 publicada pela editora Mythos.

4. Baba-Yaga

Explorando o folclore russo, Mignola conta pela primeira vez uma história com a Baba-Yaga, personagem que já havia sido introduzida em O Despertar do Demônio. Hellboy encontra com a bruxa após ir para Rússia investigar casos de crianças desaparecidas ligados a ela. Aqui seria introduzida a trama de Vingança da bruxa que mais tarde levaria às suas maquinações para matar o meio-demônio. Baba-Yaga pode ser encontrado em Edição Histórica Vol. 3, publicado pela Mythos editora.

5. Panquecas

Mignola sempre foi muito criativo, o bastante para se dar bem com decisões editorais. Um dia lhe pediram para escrever uma história sobre Hellboy criança, não muito animado ele oferece escrever uma história sobre Hellboy comendo panquecas, e seu editor gostou da ideia. E então ele a fez. Em duas páginas o a história mostra Hellboy comendo sua primeira panqueca após ficar relutante, e então ele adora. A história termina com um alvoroço no inferno enquanto Astaroth comenta sobre: “Este, sem dúvida, é o nosso mais tenebroso momento.”. Panquecas faz parte da coletânea de Edição Histórica Vol.4, publicado pela editora Mythos.

6. A Mão Direita da Perdição

“Contemple a Mão Direita da Perdição”.

Mignola resolveu trabalhar as origens da mão de pedra de Hellboy. Nessa história, Hellboy vai visitar o filho de um de seus inimigos do passado a pedido dele. Adrian Frost, o filho que havia se tornado padre, já velho, resolve contar a Hellboy tudo que seu pai havia descoberto sobre sua mão direita. Hellboy então junta as peças de tudo que havia descoberto até o momento enquanto conversa com o padre. Uma história bem curta (9 páginas), A Mão Direita da Perdição pode ser encontrada na Edição Histórica Vol. 4, da Editora Mythos.

7. Batman/Hellboy/Starman

Hellboy vai para Gotham em busca da ajuda de Batman para tentar resolver o caso de um grupo de nazistas que sequestra o Starman original (Ted Knight). Após isso, os dois se reúnem com Starman (Jack Knight, filho do original) para ir atrás de Ted. Após um problema com o Coringa, Batman é obrigado a se retirar da missão e Starman e Hellboy continuam o resgate sozinho.  Num crossover triplo repleto de luzes, magia, poderes sobrenaturais e nazistas, Mignola constrói uma narrativa divertida com os três personagens. Essa história pode ser encontrada na Edição Histórica Vol. 5.

8. A Caçada Selvagem

A Caçada Selvagem é a segunda história de três que levariam a morte de Hellboy (Sendo as outras duas O Clamor das Trevas e Tormento e Fúria). Nessa história o meio-demônio é finalmente apresentado a sua linhagem completa, descobrindo suas descendências e suas heranças e obrigações. Nessa história também Mignola trabalha o conflito interno de Hellboy entre sua humanidade e seu gosto pela violência. O garoto demônio enfrenta um duque do inferno, uma horda de gigante e conhece Morgana Le Fay. A trilogia da Morte de Hellboy é desenha por Duncan Fegredo, que entra após Mignola relatar estar cansado e com pouca confiança em sua arte. Fegredo faz um belíssimo trabalho aqui e continua na próxima edição que iremos falar.

9. O Circo da Meia-Noite

Mais uma história sobre a infância de Hellboy. Aqui, após sofrer “bullying” dos soldados que o vigiavam, o garoto decide fugir com o circo. Nessa história conhecemos a irmã de Hellboy, Gamori (seu nome só aparece mesmo em Hellboy no Inferno). Toda narrativa é construída para fazer um paralelo entre Hellboy e Pinóquio. A arte de Duncan Fegredo com as cores de Dave Stewart deixam a narrativa ainda mais bela. A história está no volume “A Casa dos Mortos- Vivos e outras histórias”, publicado em 2015 pela editora Mythos.

10. A Casa dos Mortos-Vivos

“Em 1956, Hellboy foi enviado ao México a fim de investigar uma onda de mortes coletivas. Embora tenha solucionado o caso, passou cinco meses desaparecido.” Assim começa A Casa dos Mortos-Vivos. A história é uma homenagem aos filmes mexicanos de lutadores de luta-livre, que Mignola admite não ter assistido, mas admirava bastante a ideia. Em uma história de “horror B” (como o próprio Mignola descreve), onde monstros se enfrentam, Hellboy enfrenta o Frankestein e um monstro morcego humanoide. Essa história é a responsável por incluir Frankestein como um personagem do Universo Hellboy, que mais tarde ganhou sua própria história, Frankestein: Entre o Céu e o Inferno.

About Author

Leitor de quadrinhos (tudo que consigo consumir), jogador de MMO e professor de história, tentando fazer tudo uma coisa só pra facilitar a vida.

Deixe o seu comentário